Timor-Leste é o país lusófono com mais liberdade de educação

2016-11-14
Fonte: Observador
Foto por: Wikipedia/ Nick Hobgood

Timor-Leste é o país lusófono com melhor desempenho no Índice da Liberdade de Educação, da autoria da fundação Novae Terrae e da organização não-governamental Oidel.

Timor-Leste é o país lusófono com melhor desempenho no Índice da Liberdade de Educação, da autoria da fundação Novae Terrae e da organização não-governamental Oidel, com estatuto consultivo na UNESCO e no Conselho da Europa.
O Índice da Liberdade de Educação — que se debruça sobre a evolução das políticas nacionais e a proteção e promoção do direito à liberdade de educação — analisa a situação em 136 países, que representam 94 por cento da população mundial, entre os quais Portugal e os lusófonos Angola, Brasil, Moçambique e Timor-Leste, e ainda Guiné Equatorial (que faz parte da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa desde 2014).
O índice classifica Timor-Leste na 25.ª posição. Apesar de apenas pouco mais de metade da população do jovem país asiático ser alfabetizada, o financiamento público para a educação representa 9,5% do Produto Interno Bruto — um valor acima dos 6,5% em Moçambique, 6,3% no Brasil, 5,1% em Portugal e 3,5% em Angola.
Mais alunos em escolas não-estatais e apoios financeiros para salários de professores e custos de funcionamento dos estabelecimentos de ensino privados são outros dos itens que contribuem para o bom desempenho de Timor-Leste.
Portugal, o segundo país lusófono com melhor prestação, só surge no 45.º lugar. Seguem-se Brasil (58.º), Angola (83.º), Guiné Equatorial (91.º) e Moçambique (115.º, o único dos lusófonos que não prevê o financiamento público de escolas privadas).
Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe são apenas referidos no que a lei diz sobre o direito à liberdade de educação.
A liberdade de educação é um direito universalmente reconhecido, sendo apenas proibida, entre os 136 países analisados, em Cuba, Gâmbia e Líbia.
Dos países analisados, 84 reconhecem esse direito na Constituição (a exceção, entre os países lusófonos, é a Guiné-Bissau).
Se 73 por cento dos países concedem financiamento público à educação privada, apenas 30 por cento o fazem de forma consistente, com os outros, incluindo Portugal, a darem um apoio fraco ou indefinido.
Os autores do índice assinalam as dificuldades que tiveram em obter dados em muitos países, o que revela “falta de transparência“.
Os países com maior grau de liberdade estão no grupo Europa/América do Norte, liderados por Irlanda, Holanda e Bélgica. Mas, nos 15 primeiros lugares, há países de outras geografias, como Chile, Peru, Coreia do Sul e Israel.
A região Ásia-Pacífico (muito importante em termos de peso demográfico) está bem qualificada, graças ao desempenho de países como Japão, Índia, Coreia do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Singapura e Timor-Leste. A China ainda está abaixo da média mundial.
Entre os países árabes, apenas Líbano, Jordânia e Qatar estão acima da média.
No documento assinala-se que países como Espanha, Nicarágua e a “surpreendente” Suécia proibiram recentemente o ensino doméstico, o que já vigora na Alemanha, por exemplo.
Ora, para os autores do relatório, “o ensino doméstico é um bom indicador de confiança do Estado nos pais e na sociedade civil“.
O relatório conclui que “o ensino doméstico é um fenómeno em crescimento” em todo o mundo, exceto nos países árabes e africanos. Esse aumento “pode ser interpretado quer como um desajustamento da escola às necessidades da população, quer como um sintoma de fracasso do sistema educativo formal”, reflete.

Novembro 2016

Bookmark and Share