A República Checa - novo país observador na CPLP

2016-11-14
Fonte: Diário de Notícias
Foto por: Wikipedia - Rudolf Stricker

Quando em 1902 o patriota checo Jaroslav Vrchlický publicou a primeira tradução d"Os Lusíadas, dificilmente podia prever quantos sucessores iria ter. Tradutores, artistas ou cientistas das terras checas que entraram em contacto com a bela língua de Camões. Do lado lusófono, esta amizade é cultivada por milhares de estudantes, sobretudo de Medicina, comerciantes ou diplomatas que têm estudado ou exercido a sua atividade na antiga cidade de Praga e noutras regiões do nosso país.

Hoje em dia, na República Checa há três universidades de longa tradição que administram cursos científicos de Português, milhares de cidadãos checos falam português e são publicadas dezenas de livros traduzidos do português. As diversas relações culturais e académicas entre o meio checo e os países lusófonos deram lugar à Sociedade Checa de Língua Portuguesa que atribui todos os anos o Prémio Hieronymitae Pragenses aos tradutores checos principiantes das literaturas de língua portuguesa. A sociedade prepara-se neste momento para celebrar um memorando de entendimento com o Instituto Internacional da Língua Portuguesa com sede na Praia que permitirá desenvolver atividades conjuntas na área de divulgação da língua e da cultura portuguesas. Esta colaboração complementará a rica atividade organizada na República Checa pelo popular representante português da lusofonia, Camões - Instituto de Língua e Cultura.
Além dos contactos ao nível cultural, educacional e académico, a República Checa mantém excelentes relações bilaterais com os países da CPLP ao nível diplomático e político. Lembremos, a título de exemplo, a assinatura em 2015 do Acordo Cultural entre a República Checa e Portugal. Nestes dias os lisboetas podem ver na Fundação Mário Soares uma exposição comemorativa da solidariedade dos jovens profissionais portugueses que em dezembro de 1989 empreenderam uma viagem a Praga em apoio à Revolução de Veludo, entregando 50 mil rosas aos estudantes checos. Dessa iniciativa nasceu a amizade pessoal entre Václav Havel e Mário Soares, o primeiro presidente estrangeiro a visitar oficialmente a Checoslováquia democrática para assistir, ainda em dezembro de 1989, à eleição de Havel como presidente.
Também as relações económicas com os países da CPLP têm em muitos casos raízes históricas, tendo-se baseado sempre em benefício mútuo. Nas áreas de saúde, educação, agricultura e desenvolvimento sustentável, a República Checa promove e realiza projetos de cooperação com os países da África lusófona como é o exemplo da ajuda material à associação de pessoas deficientes Mon na Roda em Cabo Verde ou a ajuda ao desenvolvimento da província do Bié, em Angola.
No passado dia 10 de março tive o enorme prazer de poder pessoalmente, na qualidade de embaixador do primeiro país europeu, apresentar ao secretário Executivo da CPLP o pedido de estatuto de observador para a República Checa. O nosso país junto com outros novos observadores na CPLP, como Eslováquia e Hungria, nossos amigos do Grupo Visegrád, estimamos o mundo lusófono e queremos com os seus países membros trocar opiniões políticas, enriquecer-nos na área académica e conhecer melhor a sua cultura. Nos povos lusófonos de todos os continentes do nosso planeta vemos amigos e estamos preparados para estreitar a nossa colaboração com eles. E convosco.

Novembro 2016

Bookmark and Share