Mia Couto lança “A Espada e a Azagaia”

2016-10-10
Fonte: Conexão Lusófona
Foto por: Fnac

 

“A Espada e a Azagaia” é a mais recente obra do escritor moçambicano Mia Couto lançada recentemente na capital moçambicana, que constitui o segundo volume da trilogia “As Areias do Imperador” depois de no ano passado ter lançado “Mulheres de Cinza”.
O novo romance de Mia Couto sugere-nos uma história de amor entre uma jovem negra nativa e um sargento português que recebeu uma missão para trabalhar em Moçambique no tempo de guerra nas proximidades do império de Gaza, um dos mais vastos reinos da história de Moçambique.
O livro propõe um recuo aos últimos dias do Império de Gaza onde numa mistura de raças, tradições, guerras, amores e desamores, a história se desenrola cruzando as versões de uma história contada por “vencedores e vencidos”.
Sara Jona, a quem coube a apresentação do livro, fez referência ao ano de 2009 em que “o autor entra profundamente para o romance histórico”. Para Jona “esta obra é um convite à humanidade, para que possamos refletir nas nossas relações como seres humanos, sem qualquer distinção” e, sugere que “é preciso fazer-se os cruzamentos dos factos aqui disponibilizados em ambos lados para permitir que se possam reconstituir a história de uma forma plural”.
Na mesma obra, o autor faz referência a uma personagem mítica que por muitos anos governou o famoso Império de Gaza, Ngungunyane, cuja sua morte sucedeu em território português, concretamente nos Açores em 1906.
Enquanto escrevia “A Espada e a Azagaia”, Mia Couto conta que visitou os Açores e quis estar onde viveu e morreu Ngungunhane e mais três prisioneiros africanos e percebeu que a ideia de africanos deportados que “fizerem lá as suas vidas” mostra que há muito mais em comum entre as duas realidades, que o cruzamento das histórias dos dois povos é um elemento peculiar e merece a devida atenção.
– No fundo, apesar de estar escrita aqui uma história de guerra, esta é uma história de amor – acrescentou o autor.
Com 31 anos de carreira, Mia Couto é autor de igual número de livros, entre poesia e romances, que mereceram diversos prémios nacionais e internacionais, entre os quais o Prémio Camões 2013.

Outubro 2016

 

Bookmark and Share