Economist prevê que economia de Angola cresça 1,3% em 2016

2016-09-05
Fonte: Macauhub/AO
Foto por: Fabio Vanin/ Wikipedia

A previsão de crescimento da economia de Angola para 2016 da Economist Inteligente Unit (EIU) é mais generosa do que a constante na proposta de revisão da lei do Orçamento Geral do Estado para 2016, de acordo com o relatório divulgado no passado dia 20 de agosto.

Enquanto o governo angolano reviu em baixa de 3,3% para 1,1% a previsão de crescimento do PIB, a EIU afirma que o crescimento deverá ser de 1,3%, a mesma taxa anunciada oficialmente em meados de Julho para o ano em curso.
A EIU estima, no seu mais recente relatório sobre Angola, que a economia do país deverá crescer a uma taxa média de 2,7% no período entre 2016 e 2020, com um máximo de 3,5% em 2018 e um mínimo de 1,3% este ano.
A expansão da economia angolana deverá acontecer, de acordo com o governo, com o aumento da produção agrícola, mas a EIU defende que essa visão parece demasiado optimista tendo em atenção as fracas infra-estruturas existentes bem como a capacidade diminuta da cadeia de distribuição.
Os restantes sectores não petrolíferos deverão continuar a ter um desempenho fraco, pelo que quase tudo se joga no sector petrolífero, a principal fonte de divisas e de receitas fiscais, além dos diamantes.
A publicação, a que a Macauhub teve acesso, salienta o facto de a proposta de lei de revisão do Orçamento para 2016 estar assente no barril de petróleo a 41 dólares, contra 45 dólares na versão original, pelo que o Produto Interno Bruto per capita deverá cair pelo terceiro ano consecutivo.
Ao longo do período em análise, 2016/2020, alguns sectores, como os transportes, indústria, comércio e serviços, deverão expandir-se de uma forma relativamente rápida mas a EIU afirma que os investimentos fora do sector petrolífero deverão permanecer reduzidos devido à ausência de reformas, não obstante a aprovação de uma nova lei de investimentos.
A EIU salienta o facto de as autoridades locais afirmarem que a lei reduz a burocracia mas acrescenta que outros custos de contexto permanecem bem como as preocupações das empresas relativamente aos pagamentos em atraso, nomeadamente na execução de obras públicas.

Agosto 2016

Bookmark and Share