Angotic revela avanços do país na área das novas tecnologias

2019-07-14
Fonte: Jornal de Angola

O ex-Primeiro-Ministro de Cabo Verde, José Maria das Neves, considera que Angola está a dar passos grandes na área das tecnologias de informação e no bom caminho, no sentido de conseguir realizar, no horizonte 2030, os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

Em declarações à imprensa, no passado dia 20 de junho, após ser recebido em audiência pelo Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, à margem do Fórum de Tecnologias de Comunicação e Informação (Angotic), José Maria Neves felicitou o Governo angolano pelas “mudanças significativas que decorrem actualmente, com particularidade no domínio da sociedade digital e pela forma como tem enfrentado os desafios relacionados ao desenvolvimento sustentável do país”.
No evento, José Maria Neves sugeriu o incremento da troca de experiências com Angola e sublinhou que Cabo Verde liderou toda dinâmica da transformação digital, nos primeiros anos da década 2000. “É necessário que se apresentem propostas que poderão, numa partilha com Angola, Rwanda e outros países, contribuir no sentido de acelerar o ritmo de transformação digital”, disse, para acrescentar: “temos produtos de ponta e inovadores que venceram prémios a nível do continente africano, no domínio da Educação, Saúde e Governação Integrada", reconheceu o ex-Primeiro-Ministro de Cabo Verde. Nas instalações do Centro de Conferências do Talatona, no âmbito do Fórum de Tecnologias de Comunicação e Informação (Angotic), o Vice-Presidente da República recebeu o antigo vice-Primeiro Ministro do Haiti, Laurent Lamoth. Após o encontro, o Vice-Presidente da República e as entidades convidadas visitaram a feira, percorrendo as várias representações institucionais e empresariais, como o Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, BPC, INACOM, ITEL, Huawei, UNITEL, MOVICEL, TUPUCA, entre outras.

Cooperação
O Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, no âmbito do Fórum Angotic, assinou um acordo de cooperação com o Ruanda, na área da Indústria de Segurança e Indústria Espacial. O acordo foi assinado pelo Ministro do sector, José Carvalho da Rocha, e pela Ministra das Tecnologias de Informação e Comunicação e Inovação do Rwanda, Paula Ingabire.
José Carvalho da Rocha disse que a parceria com o Ruanda se cinge ao cumprimento das orientações estabelecidas na visita do Presidente Paul Kagamé, que defendeu o reforço da cooperação na área das tecnologias de informação e cooperação.
Outro acordo assinado, no passado dia 20 de junho, tem a ver com a revitalização e reforço da cooperação com a Suécia, que já dura há 20 anos. O Embaixador da Suécia em Angola, Lennart Killander Lausson, que assinou o documento, garantiu reforçar o intercâmbio na área de formação. “Cooperamos com Angola há muitos anos, sobretudo, no lançamento do primeiro Livro Branco da Telecomunicações, há 20 anos”, recordou o Embaixador, à margem do evento, que se realizou em Luanda.

Angola concebe programa espacial de conectividade
As apostas do Governo no domínio das telecomunicações perseguem o estabelecimento de um programa espacial virado para a conectividade, desenvolvimento de “startups”, conhecimento e inovação, declarou o Ministro José Carvalho da Rocha, na Angotic 2019.
O Ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, que falava numa mesa redonda realizada no passado dia 18 de junho, com a participação de representantes institucionais e empresariais de Angola e do estrangeiro, declarou que, no quadro da aposta do Governo, no fim dos próximos três anos todos os pontos do país vão estar conectados com suportes das novas tecnologias.
Acreditamos que, nos próximos três anos, os programas vão contribuir para conectar todos os pontos do país, até porque estamos a evoluir e a prestar cada vez mais serviços das TIC à população”, frisou José Carvalho da Rocha na mesa redonda em que participaram a Ministra das Tecnologias de Informação e Comunicação e Inovação do Rwanda, Paula Ingabire, e os ex-Primeiros-Ministros de Cabo Verde e Haiti, José Maria das Neves e Laurent Lanithe.
O Ministro angolano frisou o engajamento do Governo no cumprimento dessas metas, inscritas no Livro Branco das Telecomunicações, o documento que rege a evolução do sector, nos últimos dez anos, marcados pela concretização de projetos estruturantes, como é a implementação de uma rede de fibra ótica de 22 mil quilómetros.
Também ocorreram progressos no domínio da transparência, com o Governo a disponibilizar o Orçamento Geral do Estado em plataforma digital, algo em que se pretende investir de forma continuada para tornar a ligação entre o Estado e os cidadãos mais acessível.
A Ministra das Tecnologias de Informação e Comunicação e Inovação do Rwanda defendeu, na mesa redonda, uma melhoria das infraestruturas das TIC no continente a todos os níveis, mas com incidência nos sectores da Saúde, Educação e Agricultura.
Paula Ingabire solicitou a Angola uma parceria nesses domínios, anunciando a assinatura, durante o certame, de um memorando de entendimento que fará com que os governos e empresas dos dois países transfiram conhecimentos e tecnologias.

Inovação no Angotic
Instituições e empresas ligadas ao sector de Tecnologias de Comunicação e Informação (TIC) como o ITEL, Angola Telecom e Unitel apresentam, na 2.ª Angotic, conquistas obtidas ao longo dos últimos 12 meses, em grande medida centradas no domínio da inovação.
A companhia de capitais públicos, Angola Telecom, apresenta o serviço 4G LTE, que são soluções para o tráfego de dados de Internet de quarta geração, adaptadas à rede GSM de terceira geração. O serviço já é comercializado no mercado das TIC e, numa primeira fase, está disponível para as províncias de Luanda, Cabinda, Benguela, Huíla e Huambo. A empresa também propõe um “Data Center”, que é o processamento e armazenamento de dados para empresas e o cabo submarino “Sat 3”.
A Unitel propõe a utilização de tecnologia nas áreas de Comunicação, Saúde e diferenciamento de empresas.
O Instituto Nacional de Telecomunicações (ITEL), um organismo público, apresenta uma solução que desenvolveu para o sector da Agricultura, um “Sistema de Monitorização de Irrigação” que vai apoiar os fazendeiros na gestão da qualidade do ar, velocidade do vento, na previsão da chuva, sol e na regulação do tempo de irrigação das sementeiras.

Junho 2019

Bookmark and Share