26.º Congresso da APDC: Desafios da economia e cidadania digital passam pela requalificação e o crescimento económico

2016-10-10
Fonte: Sapo Tek/ APDC
Foto por: APDC

Com mais de 1.600 participantes, um número recorde de inscritos, 80 oradores e uma dezena de debates, reuniu-se o Congresso da APDC para mostrar o que se faz nesta área, mas também para enfrentar os desafios do crescimento do setor.

Portugal precisa de reclamar o seu lugar na vanguarda da transformação digital”, defendeu Rogério Carapuça, Presidente da APDC, na sessão de abertura do 26.º Congresso da associação, este dedicado à Economia e Cidadania Digital. Referindo os números que traçam o retrato do sector das telecomunicações e das tecnologias em Portugal, Rogério Carapuça lembrou que é preciso apostar no curto prazo na qualificação e requalificação de cidadãos e garantir a sua integração plena e a desejada transformação digital, mas que para isso a economia tem de crescer.
A transformação digital pode ser importante para as empresas, mas na abertura da Conferência, Mafalda Ribeiro mostrou como ela é também importante para transformar a vida de quem vive com deficiência, e contou a sua experiência na utilização de ferramentas e dispositivos que para todos parecem simples, como o Multibanco ou a leitura de jornais e que são muito mais simplificados com o uso da tecnologia. E não deixou de fazer uma “selfie” em cima do palco.
O caminho não se faz sem crescimento económico, até porque como se diz 'em casa onde não há pão todos ralham e ninguém tem razão'", avisou o Presidente da APDC, alertando para o facto de ser necessário criar um ecossistema de crescimento em Portugal e na Europa, trabalhando nas várias frentes da qualificação, mas também da regulação e da criação de um ambiente favorável de negócios, garantindo a localização de empresas e a criação de emprego.
A APDC já divulgou o estudo “A Economia Digital em Portugal – O Estado da Nação 2016”. O estudo foi produzido de forma cooperativa, em apenas 2 meses e meio, por mais de 60 autores e pretende caracterizar a economia e a sociedade digitais em Portugal.
Na sessão de abertura Rogério Carapuça desdobrou uma série de números de desenvolvimento da infraestrutura de comunicações e o investimento feito, mas citou ainda os dados que mostram que 28% dos portugueses nunca acederam à Internet. “Temos um grande orgulho como sector e uma frustração pela relativamente baixa utilização daquilo que fomos capazes de criar”, justificou no seu discurso de abertura, lembrando que é preciso trabalhar em soluções para garantir maior igualdade de oportunidades entre zonas geográficas e também entre cidadãos.
A sessão de abertura contou ainda com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e da Ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, seguindo-se a visita à exposição.

Setembro 2016

 

Bookmark and Share