HoneyBot: conheça o robot criado para enganar hackers de IoT

2018-04-13
Fonte: Computerworld
Foto por: Computerworld

A segurança de dispositivos de internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) é um dos grandes desafios no mundo da tecnologia, ameaçando o comércio global, a privacidade e a infraestrutura básica da sociedade moderna.

Pesquisadores da Escola de Engenharia Elétrica e de Computação da Georgia Tech, nos EUA, lançaram o robot HoneyBot, que tem como missão proteger fábricas e outras grandes instalações contra hackers. Ele funciona como uma espécie de "canário na mina de carvão digital", trazendo avisos antecipados de que alguém está tentando comprometer os sistemas de uma organização.
O HoneyBot é projetado para se parecer com um robot controlado por controlo remoto perfeitamente comum para qualquer pessoa que tente acessá-lo remotamente, (...)

Europeus já podem aceder a conteúdos digitais em toda a União Europeia

2018-04-13
Fonte: Jornal de Notícias
Foto por: UE

Os cidadãos europeus podem aceder, desde o passado dia 01 de abril, em qualquer local da União Europeia (UE), a conteúdos digitais que tiverem subscrito em casa graças à entrada em vigor de um novo regulamento.

A medida assegura que os europeus que comprem ou subscrevam filmes, séries de televisão, emissões desportivas, música, 'e-books' ou jogos no seu país de origem possam aceder a estes conteúdos quando viajem ou permaneçam temporariamente noutro Estado-membro da UE.
Em comunicado, a Comissão Europeia anunciou que as regras são "aplicadas aos serviços pagos, mas os fornecedores de conteúdos gratuitos poderão aderir a elas, assim como os fornecedores de conteúdos digitais, que já não terão de adquirir licenças para os outros territórios (...)

Leis europeias estão a restringir avanços em Inteligência Artificial

2018-04-13
Fonte: Dinheiro Vivo/ Sapo 24/ Sapo Tek
Foto por: Cortesia de thesomeday1234 em FreeDigitalPhotos.net

Google considera que a inteligência artificial (IA) tem sido importante na proteção dos direitos de autor na internet. Mas ainda há muito por fazer.

Porque não usam os vossos super engenheiros e as vossas super tecnologias para combater todos os conteúdos ilegais?”. Esta é uma das questões que mais vezes colocam à Google e, segundo o conselheiro de direitos de autor da empresa, Cédric Manara, que esteve esta quinta-feira em Portugal num evento promovido pela PLMJ, a resposta é fácil: “Porque simplesmente não conseguimos”. A inteligência artificial (IA) tem sido preponderante na remoção de conteúdos ilegais do motor de pesquisa e também do YouTube, mas as (...)

Microsoft investirá US$ 5 mil milhões em IoT nos próximos quatro anos

2018-04-12
Fonte: Computerworld
Foto por: Cortesia de andongob em FreeDigitalPhotos.net

A Microsoft investirá US$ 5 mil milhões em internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) nos próximos quatro anos. O foco da companhia é capacitar os clientes na transformação dos seus negócios com soluções conectadas.

A empresa quer ganhar espaço no promissor mercado de IoT, que, segundo a A.T. Kearney, impulsionará um aumento de produtividade de US$ 1,9 trilhão e a US$ 177 mil milhões em redução de custos até 2020. Esse efeito será generalizado, de casas e carros conectados a fabricantes, cidades e serviços de utilidade pública inteligentes e muito mais.
Julia White, Vice-presidente Corporativa de Microsoft Azure, explica que o investimento apoiará a inovação contínua na plataforma de tecnologia, contemplando programas de suporte. "Continuaremos a (...)

Facebook, Google e outras dotcom: a Europa vai (mesmo) taxar negócio digital e tem duas propostas

2018-04-11
Fonte: Sapo Tek
Foto por: Cortesia de SOMMAI em FreeDigitalPhotos.net

A Comissão Europeia avançou, no passado dia 21 de março, com a proposta de novas regras para garantir que os negócios digitais sejam taxados de forma justa e sustentável dentro União Europeia, atualizando a economia moderna e a entrada na era digital. A Digital Tax Package foi incentivada pelo boom gerado no negócio digital proporcionado pelas empresas ligadas às redes sociais e outros fornecedores de conteúdos online que em última instância contribuíram para o crescimento económico da zona Euro.

O executivo europeu assume que está a ter um papel pioneiro na definição destas taxas, mas admite que o pacote de propostas pode ser a base para uma norma global. "A Europa pode estar na primeira linha para definir uma resposta global em relação à #FairTaxation. Decidimos assumir a liderança e vamos encorajar os nossos parceiros a seguir [estas medidas]", refere a Comissão Europeia no Twitter.
O problema atual é que as regras de aplicação dos impostos não foram criadas para as empresas globais que partilham o espectro físico e (...)

Millennials alteram forma de trabalhar nas empresas

2018-03-19
Fonte: Expresso
Foto por: Cortesia de David Castillo Dominici em FreeDigitalPhotos.net

Os millennials, a geração nascida entre 1980 e 1996 e que cresceu com a tecnologia, estão a mudar a maneira como se fazem os negócios e a criar um novo paradigma empresarial. Habituados a uma utilização intensiva do digital, são uma maioria nas empresas e representarão, em 2025, 75% da força de trabalho mundial. Para estes profissionais, desempenhar as suas funções de forma remota é natural e a existência de um espaço físico de trabalho não é fundamental.

Muito por força da chegada desta geração às empresas, o espaço de trabalho é hoje muito diferente do que era há uma década, com a mobilidade a ganhar peso na forma como se fazem e gerem os negócios. Uma conclusão comprovada pelo estudo do Expresso e da Microsoft e realizado pela GfK, que revela que em 59% das PME nacionais isto é uma realidade.
Deste conjunto de empresas, 37% asseguram que o desempenho à distância faz parte do dia-a-dia, enquanto 22% admitem estar a trabalhar nesse sentido. Um retrato empresarial que aponta para a (...)

Sol Rogers: “Os smartphones estão mortos, só ainda não sabem disso”

2018-03-19
Fonte: Observador
Foto por: vfx summit

Solomon Rogers é Fundador e Presidente Executivo da Rewind, uma das maiores produtoras de conteúdos para realidade virtual (RV) e aumentada para empresas. Devido ao sucesso que alcançou, é um dos responsáveis pelo BAFTA VR, a secção de realidade virtual da academia britânica de artes de cinema e televisão.

No passado, teve um percurso académico, até que um dia decidiu ter uma empresa de conteúdos com efeitos especiais. Com esse salto, foi dos primeiros a dedicar-se inteiramente à tecnologia de realidade virtual e aumentada, o que fez com que tivesse clientes como a Microsoft, a Lexus, a Nike, a BBC ou a Paramount.
Ao Observador, numa passagem por Portugal, explicou que, atualmente, a Rewind é “a maior empresa a fazer entretenimento em realidade virtual para marketing”. Depois de ter apostado nestas novas tecnologias, Sol Rogers acredita (...)

8 formas de levar a TI a pensar de forma estratégica, segundo o Gartner

2018-03-19
Fonte: CIO
Foto por: Gartner

Líderes de Infraestrutura e Operações de TI (I&O) podem usar as recomendações da consultoria para tornar suas decisões sobre a evolução das plataformas digitais mais certeiras.

As equipas de Infraestrutura e Operações de TI necessitam pensar de maneira mais estratégica, alerta o Gartner. É vital que não estejam apenas prontos para ajudar a implementar uma nova direção corporativa, antes que a concorrência o faça, mas também criem datacenters ágeis e uma infraestrutura que seja robusta o suficiente para lidar com a enorme variedade de demandas futuras.
As equipas de I&O devem estudar e entender as tendências que estão mudando as suas indústrias e as suas empresas, e analisar como isso afetará o planeamento de (...)

1/3 das empresas recruta nas redes sociais

2018-03-19
Fonte: Expresso
Foto por: Cortesia de bluebay em FreeDigitalPhotos.net

Pode uma empresa recrutar um talento através do Instagram? Pode, sobretudo se se tratar de um criativo. Pode um académico ou um jornalista destacar-se aos olhos de um recrutador através das suas partilhas no Twitter? Acontece em grande parte dos casos. Pode um executivo conquistar uma nova posição a partir de uma troca de mensagens no LinkedIn? É o mais comum nos dias de hoje. As redes sociais mudaram drasticamente o mercado do recrutamento. Para 56% das empresas europeias as redes sociais já são o palco preferencial para a identificação de talento, segundo dados do gabinete de estatísticas europeu Eurostat, recentemente divulgados. Em Portugal os valores estão um pouco abaixo disto, rondando os 30%. O valor mais do que triplicou em quatro anos e entre os especialistas é já consensual que o perfil digital dita o destino dos candidatos.

Pedro Caramez, consultor e formador em social recruiting (recrutamento via redes sociais), fala de um novo paradigma global do recrutamento e do recrutador. “Durante muito tempo as empresas lançavam no mercado oportunidades, em várias plataformas, e esperavam que os candidatos aparecessem. Hoje estão muito mais proativas no recrutamento e também correm atrás dos candidatos, escolhendo as plataformas que agregam o seu perfil preferencial para identificar talento”, explica. E embora o LinkedIn seja a rede social de âmbito profissional (...)

Em Munique, nove multinacionais assinam carta de compromisso com cibersegurança

2018-03-19
Fonte: Telesíntese
Foto por: CSM

A Conferência de Segurança de Munique já tem alguns resultados concretos. No passado dia 8 de março, nove grandes multinacionais assinaram uma carta de compromisso para promoverem a cibersegurança. Por iniciativa da Siemens, o Charter of Trust, como é chamado, estabelece regras e normas obrigatórias para que seja possível avançar na digitalização. E identifica 10 áreas nesse segmento onde governos e empresas precisam estar mais ativos.

Além da própria Siemens, também assinam o compromisso as empresas Airbus, Allianz, Daimler Group, IBM, NXP, SGS e Deutsche Telekom. A iniciativa também tem apoio de governos e da União Europeia.
O documento exige que a responsabilidade pela cibersegurança seja assumida pelos mais altos níveis de governos e empresas, com a criação de um ministério dedicado em cada governo e um diretor de segurança da informação nas empresas. Também exige que as empresas estabeleçam uma certificação independente e obrigatória concedida por terceiros para (...)