Exporta Fácil fica mais simples com Portal Único do Comércio Exterior

2017-04-10
Fonte: ECT - Correios do Brasil
Foto por: ECT - Correios do Brasil

Para reduzir custos, prazos e aumentar a competitividade dos produtos brasileiros no exterior, o governo federal lançou, no passado dia 23 e março, o Novo Processo de Exportações do Portal Único do Comércio Exterior. A iniciativa oferece trâmites simplificados para as vendas externas brasileiras, com a eliminação de documentos e etapas e a redução de exigências governamentais. A facilitação alcançará cerca de 5 milhões de operações anuais de exportação, envolvendo mais de 25.500 empresas.

Entre os processos que serão simplificados por meio da nova plataforma está o Exporta Fácil, serviço de exportação dos Correios, que atende principalmente às micro e pequenas empresas brasileiras. Elas poderão contar com a Declaração Única de Exportação (DUE), documento que visa automatizar o processo da exportação, acrescentando maior transparência e previsibilidade e, principalmente, buscando a redução de prazos e custos.
O objetivo da parceria entre o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o Ministério da Fazenda e os Correios é incluir as MPE no Novo Processo de Exportações, que coloca em prática o conceito de single window (guichê único), criando uma interface única entre governo e operadores de comércio.
Com essa visão, os Correios desenvolveram um novo modelo de postagem de remessas internacionais, o qual capta os dados completos das remessas e permite a sua transferência eletrónica às aduanas, no Brasil e no exterior, e aos correios de destino.
Esse novo modelo de postagem internacional tem o objetivo de fortalecer o canal postal, tornando-o mais rápido e seguro, conforme preconizado pela União Postal Universal (UPU) e pela Organização Mundial das Aduanas (OMA).

Correios inicia expansão com tecnologia por radiofrequência (RFID) em suas unidades
Os Correios e a União Postal Universal (UPU), agência especializada da ONU para os serviços postais, iniciaram a implementação da terceira etapa do projeto GMS (Global Monitoring System – em português, Sistema Global de Monitoramento), que prevê a ampliação da utilização da tecnologia RFID no rastreamento de objetos do fluxo postal internacional. O projeto irá ampliar de cerca de 350 para mais de 2300 a quantidade de antenas RFID no Brasil, envolvendo 200 unidades operacionais até o início de 2021.
Conhecida como RFID (do inglês, Radio Frequency Identification), a identificação por radiofrequência é uma tecnologia de transmissão de dados por meio de etiquetas inteligentes dotadas de um chip interno. A instalação das antenas permitirá que essas etiquetas sejam lidas automaticamente por meio de sinais de rádio, permitindo identificar, rastrear e gerenciar envelopes e pacotes, seja individualmente ou em lotes, sem ter a necessidade de manusear o objeto, em complemento à atual leitura mecânica dos códigos de barras.
A tecnologia já é bem difundida, com diversas aplicações, como rastreamento e identificação de objetos, produtos e contentores, controlo de stocks, segurança, entre outras, mas ainda não foi amplamente adotada em serviços postais.
Atualmente, o Brasil conta com cerca de 350 antenas instaladas em 19 unidades operacionais, as quais são utilizadas pela UPU para medir o desempenho da entrega de cartas internacionais, como amostra. Com a expansão, além de aumentar a cobertura desse monitoramento, o sistema a ser desenvolvido permitirá monitorar as encomendas nacionais que possuam etiquetas com chip, gerando novos eventos de rastreamento.
As informações obtidas pelo monitoramento por meio da tecnologia RFID serão utilizadas para melhoria e otimização dos processos operacionais, além de proporcionar mais informações aos clientes dos Correios.

Abril 2017

Bookmark and Share