Concorrência aprova compra da Transporta pelos CTT

2017-03-13
Fonte: Correio da Manhã/ Jornal de Negócios

A Autoridade da Concorrência (AdC) aprovou a compra pelos CTT -- Correios de Portugal da Transporta, uma empresa que opera no transporte rodoviário de mercadorias, informou no passado dia 6 de março a referida Autoridade.

A decisão foi tomada no passado dia 3 de março e publicada no dia 6 no portal da AdC: "O Conselho da AdC adotou uma decisão de não oposição na operação de concentração (...) CTT / Transporta", lê-se no aviso publicado. O regulador deu 'luz verde' à compra pelos CTT do controlo exclusivo sobre Transporta - Transporte Porta à Porta que a operação não é suscetível de criar entraves significativos à concorrência no mercado da prestação de serviços de transporte de mercadorias e logísticos por via rodoviária. A compra da empresa de transportes porta a porta inclui atividade logística, armazenamento e transporte ocasional de mercadorias. O contrato de compra da totalidade do capital social da Transporta foi assinado em 15 de dezembro, por 1,5 milhões de euros, segundo o anúncio da empresa nesse dia à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Nesse comunicado ao mercado, os CTT explicam que a transação se enquadra na estratégia de captura de oportunidades de crescimento em mercados adjacentes e que a aquisição da empresa permite adicionar ao portefólio dos CTT uma nova oferta de distribuição de objetos acima de 30 quilogramas.

CTT avançam com medidas adicionais para pagamentos de pensões
Os CTT estão a introduzir medidas adicionais para “afinar” capacidade de resposta das lojas. A criação de uma senha para dar prioridade ao pagamento destes vales e o reforço do dinheiro em caixa são algumas das medidas.
Para reforçar a capacidade de resposta da sua rede de lojas no pagamento de vales de prestações sociais os CTT avançaram este mês com medidas adicionais.
Estas medidas, "que pretendem afinar a capacidade de resposta da sua rede de lojas", como explicou fonte oficial dos CTT ao Negócios, incluem a introdução de um novo botão "Pagamento de Pensões" nas máquinas dispensadoras de senhas, "de modo a dar prioridade a estas operações", detalhou a mesma fonte.
O "reforço da capacidade de numerário nas lojas" foi outro dos passos que a empresa começou a dar no mês de fevereiro, bem como o estabelecimento de um sistema de interação entre as lojas e a gestão da rede "que permite ter conhecimento em tempo real das quantias existentes em cada loja".
A aplicação deste conjunto de medidas acontece depois de alguns sindicatos terem relatado problemas no pagamento de reformar e outras prestações sociais em alguns balcões dos CTT.
No seguimento destas queixas, a Presidente do regulador do sector (Anacom) foi chamada ao Parlamento para explicar os contornos da situação. Na altura, Fátima Barros revelou que de janeiro a setembro de 2016 chegaram 205 queixas sobre este tema ao regulador. Um número que compara com 88 reclamações recebidas no ano anterior e com as 75 registadas em 2014.
Dado o aumento das queixas, Fátima Barros tinha adiantado que a Anacom tinha contactado os CTT e também várias Juntas de Freguesia para perceber a dimensão da situação.
No dia 22 de fevereiro, durante a comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme W. d’Oliveira Martins, revelou que os CTT já tinham respondido à Anacom e que iriam avançar com a aplicação de um pacote de medidas.

Março 2017

Bookmark and Share